De onde venho e pra onde vou.

Sempre achei que era de tecnologia, sempre mesmo, aos 7 anos de idade comecei a mexer em um computador, me lembro como se fosse hoje, era um 486 DX2/66mhz (mas antes disso já tinha mexido em um 286 que era da minha tia, isso eu conto em outro post).

Meu pai comprou pra mim através de consórcio, nessa época meados de 1989 não era comum ter um computador, ainda mais pra nossa família, mas ele comprou, achando que ia mudar a minha vida e que aquilo era o futuro.

Era época era BBS do STI, depois venho internet do Mandic e da STI, 7 anos depois comecei a trabalhar como officeboy em uma construtora. E achava também que poderia ter uma empresa de informática aos 14 anos, criando sites e arrumando computadores. (isso aconteceu mesmo, mas foi um depois em 2000 aos 18 anos, mas falo disso neste post)

Aos 16 anos já tinha feito uns cursos de manutenção de computadores e de html e ASP na Impacta, que era uma escola bem bacana na época, tudo isso com meu salário de office-boy, já estava fazendo uns trabalhos “por fora”, fazendo sites e consertando computadores nos fins de semana pra uma loja chamada Prisma que ficava ali próxima da Avenida Sumaré, na verdade era uma papelaria que vendia peças de informática a semana toda e no sábado eu ia pra instalar as peças para os clientes.

Fiquei pensando como conseguir novos cientes e surgiu a brilhante idéia de fazer uns panfletos e distribuir na região, então saía aos domingos em toda a região das Perdizes, na zona oeste de são paulo, distribuindo panfletos em pequenos comércios, colocando debaixo de portas e entregando para os porteiros dos prédios. (nem sabia, mas isso era publicidade e marketing, que veio na minha vida muito depois).

E prospecção, ahhhh… a primeira prospecção nenhum vendedor esquece, aos 17 anos tive uma promoção, mudei de cargo e de empresa, outra construtora do mesmo grupo, mas agora eu era Auxiliar Técnico de Informática em um CPD, nossa como isso parecia uma coisa legal, era nada, eu passava o dia inteiro instalando windows 3.11 (era uns… 14 disquetes naquela época), fazendo backups de arquivos e desatolando as impressoras, elas viviam atoladas de papel.

E a prospecção? Nesse ambiente hostil de CPD, eu só pensava em ter a minha empresa e ai decidi pegar uma lista telefonica das Páginas Amarelas, e os jornais do bairro e ver as empresas que pagavam os maiores anúncios (tipo página inteira ou meia página) ligar pra elas e oferecer um site na internet, na hora do almoço eu gastava o dedo ligando pra empresas e oferecendo um site na internet.

Consegui alguns clientes enquanto trabalhava no CPD, mas nada que desse pra alçar um voo solo e nessas viradas que a vida dá acabei mudando de emprego, de novo recebi uma promoção (ou um castigo) e comecei a trabalhar em um cemitério particular, fazia coisas de informática lá e também coisas administrativas como renegociar contratos e atender clientes, foi uma experiência que nunca vou esquecer, depois de 1 ano por lá saí para abrir uma empresa de informática e foi muito bom, pelo menos parecia algo muito pra mim, nasceu a imagemativa, na verdade ela já tinha nascido antes disso na minha imaginação e prospecções, já tinha site e tudo mais, mas em dezembro de 2000 ela nasceu de verdade com CNPJ.

Hoje eu sou vendedor dessa empresa, tudo mudou, eu descobri do pior jeito que o meu negócio era vender e que toda essa experiência e a vivência em tecnologia iam fazer parte de toda a minha vida até hoje, de um jeito muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *